Seguidores

outubro 31, 2013

.bungalow, bangaló ou bangalô?

Painel à entrada da excelente ilha da Armona, junto a Olhão, no Algarve

Em relação a Portugal, não há dúvidas: podemos recorrer ao estrangeiro do inglês bungalow ou ao termo adaptado bangaló.
Quanto ao Brasil, nem os dicionários nem o VOLP da Academia Brasileira de Letras registam o estrangeirismo. O termo aportuguesado presente em todas as fontes é bangalô. A ABL e o dicionário o Dicionário Online de Português admitem a variante bangaló, termo que, no entanto, não encontrei nas outras fontes nem nos textos disponíveis na internet.

Conclusões:


PORTUGAL

BRASIL

O estrangeirismo bungalow (entre aspas ou em itálico) e a adaptação bangaló.

Preferencialmente bangalô, embora pareça ser admissível o recurso a bangaló.

Abraço.
AP

outubro 28, 2013

.Somos 244 milhões de lusofalantes em todo o mundo!


Falado por 244 milhões de pessoas em todo o mundo, o português é a sexta língua mais falada do globo, mas é a quinta mais usada na Internet e a terceira nas redes sociais Facebook e Twitter.
As estatísticas são do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua e foram transmitidas à Lusa pela presidente, Ana Paula Laborinho, a propósito da II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, que decorre entre terça e quarta-feira em Lisboa.
Também o site do Observatório da Língua Portuguesa, que reúne diversas fontes para construir as suas estatísticas, aponta para 244,392 milhões de falantes de português em todo o mundo, mas coloca o português como a quarta língua mais falada do mundo, atrás do mandarim, do espanhol e do inglês.
Com efeito, a posição do português nas listas das línguas com maior número de falantes varia conforme os critérios das organizações que as elaboram.
No site do Observatório da Língua Portuguesa, é explicado como se chega aos 244 milhões de falantes.

outubro 25, 2013

.De onde vem o SEXO? A palavra, entenda-se…

Imagem encontrada AQUI.

A origem da palavra está no latim sexu-, relacionado com secare (“dividir, cortar”), dado que o sexo nos divide em duas partes: machos e fêmeas.
Fontes consultadas:

Abraço.
AP

outubro 24, 2013

.Costa DA Caparica ou Costa DE Caparica?


Ouvindo há pouco, num noticiário televisivo, dizer Costa de Caparica, quando o mais comum é dizer-se Costa da Caparica, parti para a pesquisa que dá corpo ao artigo de hoje.

Socorro-me, como em muitos outros casos, do imprescindível Ciberdúvidas. Aqui vos deixo a súmula da resposta dada a um consolente em 2006:
1. Por um lado, o Novo Dicionário Corográfico de Portugal e a Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, da Verbo, registam Costa da Caparica, à semelhança de Costa do Castelo, Costa do Marfim e Costa do Sol.
2. Em contrapartida, grande parte dos registos na internet optam por Costa de Caparica, o mesmo acontecendo com a página oficial da Câmara Municipal de Almada.
3. Se dizermos a Caparica poderia justifica o da, o facto José Pedro Machado, no Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, incluir uma atestação do nome em causa sem artigo («que he em caparica termo da villa dalmada», 1488) justificaria o de.
4. O presidente da Junta de Freguesia, Sr. António Neves, prestou, em 2006, o seguinte esclarecimento ao Ciberdúvidas: 
«A Costa da Caparica foi durante muitos anos chamada por este nome e também pela denominação de "Praia do Sol".
Mais tarde, na década de oitenta, surgiu uma corrente que defendia o "de" e não o "da".
Após vários anos e com a necessidade de se proceder à legalização dos símbolos heráldicos da freguesia (agora cidade), através da Comissão de Heráldica, foi informada a Junta de Freguesia de que a denominação da terra era a de "Costa da Caparica", e não "Costa de Caparica".
Porém, e se dúvidas subsistissem, a verdade é que quando foi criada a freguesia e publicado o diploma (Dec.-Lei n.º 37 301) em Diário do Governo de sábado, 12 de Fevereiro de 1949 – 1.ª Série – Número 27, a denominação foi a de Costa da Caparica.»
5. O nome oficial é, por conseguinte, Costa da Caparica.
Nota: Consultando a página oficial da Câmara Municipal de Almada, verifiquei que, ao contrário do que acontecia em 2006, se opta pela designação Costa da Caparica.

Abraço.
AP

outubro 23, 2013

.De onde vem a palavra COENTRO?

Imagem encontrada AQUI.
 
O termo vem do do grego koríandron, pelo latim coriandru-.
José Pedro Machado, no Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, refere que a evolução fonética da palavra ainda não foi explicada satisfatoriamente, aponta para a possibilidade de surgir pela primeira vez no século XV (…e eram hu us graaõs meudos asy como sement de coentro”) e regista a variante coendro, que não encontrei nos dicionários que tenho cá em casa.
Abraço.
AP
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
 
A. (…) o coentro já era conhecido e utilizado pelos egípcios, não como tempero, mas como planta medicinal (a ele se atribuíam propriedades digestivas, calmantes e, quando usado externamente, para alívio de dores das articulações e reumatismos), além de possuir efeito anafrodisíaco.
O coentro é muito utilizado na culinária brasileira nordestina e também na região norte. Em Portugal, é muito utilizado, por exemplo, na cozinha alentejana e noutras regiões do sul do País. No Norte, é praticamente ignorado.
 
B.Embora de origem incerta, sabe-se que os antigos egípcios já a utilizavam para embalsamar os corpos. É provavelmente originária da bacia do Mediterrâneo onde os gregos e os romanos a utilizavam em pratos e bebidas. Na Idade Média era cultivada nos jardins dos mosteiros. É também conhecida por salsa árabe ou chinesa e é hoje cultivada um pouco por todo o mundo.


outubro 21, 2013

.É possível ser criativo com a gramática? Com os Deolinda, é!



Aqui vos deixo a canção “Concordância”, uma forma bem criativa (e rigorosa!) de abordar a gramática.
Encantem-se com Ana Bacalhau, vocalista dos Deolinda,  grupo de música popular portuguesa. Vale a pena ouvir a canção e ler a letra!

Abraço e boa gramática (com muitas vozes ativas e emoções superlativas!) para todos!
AP

 "Concordância" - Deolinda

Eu sou um pronome
 Um pronome pessoal
 Sou a primeira pessoa
 Do sujeito singular
 Ele é um pronome
 Igualmente pessoal
 E quer que eu me junte a ele
 Numa relação plural

outubro 20, 2013

.mealheiro... ou migalheiro?

Imagem encontrada AQUI.

Se em relação a mealheiro, não há diferenças significativas entre Portugal e Brasil, o mesmo não acontece com migalheiro.
No Brasil, os dois termos têm sentidos distintos, mas, em Portugal, podem ser sinónimos. Ainda assim, será melhor seguir o conselho do Ciberdúvidas: “No entanto, quando falamos ou escrevemos, a escolha das palavras depende em muito do contexto situacional, pelo que, se se tratar de um registo mais formal, a melhor opção será talvez o termo mealheiro.(In http://www.ciberduvidas.com/pergunta.php?id=24057)

 
CONCLUSÕES:
 
PORTUGAL
BRASIL
Migalheiro
NOME:
Sinónimo de mealheiro (corruptela).
ADJETIVO:
Que repara em miudezas; avaro.
NOME:
Não registado.
ADJETIVO:
Que repara em miudezas; avaro.
Mealheiro
NOME:
1. Dinheiro economizado, pecúlio.
2. Pequeno cofre com uma fenda por onde se introduzem moedas.
ADJETIVO:
3. Que consiste em mealhas; que dá pouco dinheiro.

Abraços.
AP

outubro 16, 2013

.lusobrasileiro, luso-brasileiro ou luso brasileiro?

Imagem encontrada AQUI.

A resposta é… luso-brasileiro!

Pelas normas de 1943 (Brasil) e 1945 (Portugal), já era assim. A confirmá-lo, temos o registo desta forma hifenizada no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves (1965).
Quanto à explicação, socorro-me do imprescindível Ciberdúvidas, onde podemos ler: “os elementos gentílicos (ou seja, nomes que designam a naturalidade de alguém), quando combinados com outros gentílicos, devem ser sempre grafados com hífen.” Essa é razão por que escrevemos:

a)      luso-brasileiro, luso-americano, luso-asiático, luso-canadiano e luso-chinês (gentílico + gentílico);
a par de
b)      lusofonia, lusodescendente, lusofalante e lusotropicalismo (gentílico + nome ou adjetivo não gentílico);

Abraços.
AP

outubro 14, 2013

.Molusco ou… MOLÚSCULO?

 
O momento de glória das minhas capturas nas férias de verão...
 
O normal é dizer molusco, quando queremos designar o “animal invertebrado de corpo mole”. No entanto, segundo os dicionários Aulete e Michaelis e os vocabulários da Academia Brasileira de Letras e do Portal da Língua Portuguesa, podemos recorrer ao termo molúsculo para nos referirmos a um “pequeno molusco”.
Surpreendente? Talvez, mas há lógica na formação da palavra. A molusco juntamos o sufixo erudito úsculo e está formado o diminutivo!
Uma riqueza, esta nossa língua portuguesa…
Abraços.
António Pereira


outubro 12, 2013

.Qual a origem da palavra BIFE?

Imagem encontrada AQUI.

O nosso bife vem do inglês beef, pelo francês boeuf, “boi”. O termo francês tem origem no latim bos, relacionado com o grego bous.

Abraço.
AP

outubro 10, 2013

.10% dos alunos FALTOU ou FALTARAM?

Imagem encontrada AQUI.


Não há unanimidade em relação ao assunto de hoje.
De tudo o que li, opto pelas regras para a concordância na percentagem que D´Silvas Filho (citado por Regina Rocha) apresenta no Ciberdúvidas:
a) Sujeito sem complementos
Quando o sujeito não tem complementos, a concordância tem de fazer-se só com ele, como é óbvio (ex.: «20% descontam»). Note-se que quando o número é inferior a dois, o verbo vai para o singular («só 1,9% desconta»): convenção adotada pelo Sistema Internacional de Unidades (SI) e Bureau International des Poids et Mesures (BIPM); ex.: 1,99 joule.

b) Sujeito com complementos
Com número superior a 2 e quando há complementos, o verbo vai para o plural se o complemento está no plural (ex.: «3% das pessoas descontam»). Pode ir excecionalmente para o singular se o complemento está no singular (ex.: «10% do desconto mantém-se»); mas o plural pode ser aconselhável, concordando com o plural do número (ex.: «10% do dinheiro dos impostos gastam-se em ninharias»).
Quando o número é inferior a 2 e há complementos, aplica-se a regra em a); mas esta convenção é estilisticamente discutível no caso das percentagens (ex, regra SI: «só 1,8% [das pessoas presentes] votou»; mas, preferência estilística: «só 1,8% [das pessoas presentes] votaram...»). Conclusão: em números inferiores a 2, a regra SI não pode ser considerada inflexível quando há complementos na percentagem.

CONCLUSÃO:
A resposta só pode ser: 10% dos alunos FALTARAM.

Abraço.
AP